Seguro Desemprego 2018: valor, regras, quem tem direito

Quer saber as novas regras e se você tem direito ao Seguro Desemprego? Descubra aqui!

Com a crise econômica que o Brasil vem enfrentando nos últimos anos, o índice do desemprego cresceu muito. Por isso, cada vez mais pessoas estão necessitando do Seguro Desemprego. Com o novo valor do salário mínimo algumas coisas também mudaram e por isso o texto de hoje vai esclarecer todas as dúvidas sobre o seguro desemprego 2018. Veja a seguir!

O Seguro desemprego 2018 foi reajustado.

Após ser demitido, o trabalhador deve dar entrada no seu seguro desemprego. (Foto: Divulgação)

Veja também: Como solicitar seguro desemprego pela internet

O que é o seguro desemprego?

O Seguro Desemprego é um benefício do Governo Federal que utiliza recursos financeiros do Fundo de Amparo ao Trabalho (FAT). Ele serve para dar assistência temporária ao trabalhador que está inativo (sem justa causa), enquanto está à procura de um novo emprego.

O empregado que foi demitido sem justa causa fará jus ao recebimento de um valor mensal. Disponibilizado pelo governo para seu próprio sustento ou de sua família enquanto procura um novo trabalho.

Para ter direito às parcelas do Seguro Desemprego é necessário que o trabalhador de carteira assinada preencha alguns requisitos e alguns deles foram modificados nos últimos tempos.

Quem tem direito ao seguro desemprego 2018?

Para ter direito ao Seguro Desemprego o cidadão deve preencher alguns requisitos, que são:

  • O trabalhador com carteira assinada que foi demitido sem justa causa e que tenha trabalhados 12 meses nos últimos 18 meses.
  • Pescadores em época de defeso (período de proibição da pesca)
  • Empregado doméstico inscrito na Previdência Social que tenha trabalhado 15 meses nos últimos 24 meses.
  • Pessoas resgatadas do trabalho similar ao escravo.
  • Empregados em qualificação profissional.

Se você se encaixa em alguns desses requisitos, você tem direito a parcelas referentes ao seguro desemprego.

Qual o valor que tenho a receber?

O valor do benefício é calculado com base nos três últimos contracheques. (Foto: Divulgação)

Os valores variam de empregado para empregado. O cálculo é feito com base nos seus últimos três contracheques recebidos na empresa a qual prestava serviço com carteira assinada.

Em relação ao valor de 2017, o seguro-desemprego sofreu um reajuste de 2,07%, com base Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) . Isso significa que aumentou R$ 34,02 no benefício máximo. O mínimo a ser pago por parcela é de R$ 954,00 e o máximo é R$ 1.677,74.

Se você quiser saber qual o valor que poderá receber, é simples, nós vamos ensinar aqui como o cálculo é feito.

Tenha em mãos os seus últimos 3 contracheques e some os valores e divida por 3, a partir desse resultado você terá sua base para os outros cálculos.

  • Se o resultado for menor que 1.480,25 – multiplique o valor por 0.8 – depois dessa multiplicação esse será o valor da sua parcela a receber.
  • Se o resultado for entre R$ 1.480,26 até R$ 2.467,33 – o que for maior que R$ 1.480,25 deve ser multiplicado por 0,5 e, depois, somado a R$ 1.184,20.
  • E, por fim, se o resultado do valor for acima de R$ 2.467,33, a parcela sempre vai ser de R$ 1.677,74, invariavelmente. Esse é o valor máximo a se pagar em um Seguro Desemprego.

Como faço para receber?

As parcelas do Seguro Desemprego serão sempre pagas pela Caixa Econômica Federal, através de uma Poupança, Conta Corrente ou com o Cartão Cidadão sacando diretamente no caixa eletrônico.

Como fazer a requisição do benefício? Quais os prazos?

  • O trabalhador desempregado sem justa causa tem de 7 a 120 dias contando a partir da data de dispensa;
  • O trabalhador doméstico desempregado sem justa causa tem de 7 a 90 dias contando a partir da data de dispensa.
  • Para fazer a solicitação é necessário se dirigir a posto de atendimento portando os seguintes documentos: documento de identidade, Carteira de Trabalho (CTPS), Cartão do PIS/PASEP, Cartão Cidadão ou extrato atualizado, requerimento do seguro desemprego SD/CD (em duas vias) – geralmente é fornecido pelo empregador no acerto de contas, termo de rescisão de trabalho, extratos que comprovam os depósito de FGTS e os três últimos contracheques para que seja feito o cálculo do valor da parcela; e caso seja necessário, a Sentença judicial ou homologação de acordo (se o trabalhador tiver reclamação trabalhista)

Mais alguma dúvida sobre o Seguro Desemprego 2018? Deixe um comentário!

Avalie este conteúdo!

Avaliação média: 4.7
Total de Votos: 3

Seguro Desemprego 2018: valor, regras, quem tem direito

Comente