Reforma da Previdência para Bolsonaro e Haddad: quais são as propostas

Entenda as propostas de cada candidato à presidência da república.

O sistema previdenciário no Brasil, tal como está, não é considerado sustentável. Em menos de 10 anos, os gastos com aposentadorias e pensões teve um aumento de R$ 113 bilhões. Entenda como fica a Reforma da Previdência para Bolsonaro e Haddad.

No início do ano, a tramitação da reforma da previdência foi suspensa no Congresso Nacional. No entanto, não tem como fugir das mudanças: as regras atuais precisam ser alteradas para não resultar em um rombo nos cofres públicos.

Reforma da Previdência para Bolsonaro e Haddad

As contribuições, pagas pelos trabalhadores ativos ao Instituto Nacional do Seguro Social, são consideradas insuficientes para pagar os benefícios de quem já se aposentou.  Em 2017, o INSS registrou um rombo total de R$ 268,79 bilhões na Previdência.

No dia 28 de outubro, os brasileiros irão comparecer às urnas para escolher o novo presidente da república. Veja como fica a Reforma da Previdência para Bolsonaro e Haddad:

A Previdência no Governo de Bolsonaro

Veja como fica a Reforma da Previdência para Bolsonaro e Haddad

O candidato Jair Bolsonaro (PSL). (Foto: Divulgação)

Jair Bolsonaro, primeiro colocado nas pesquisas de intenções de voto, dará continuidade a reforma previdenciária, mas com algumas ressalvas. Além disso, o candidato do PSL pretende implementar um modelo de capitalização no país como uma alternativa à aposentadoria tradicional. Nesse novo sistema, o trabalhador acumula suas contribuições numa espécie de poupança.

Bolsonaro pretende acabar com privilégios. Uma das medidas propostas pelo seu plano de Governo é ampliar a idade mínima para aposentadoria do servidor público, passando de 60 anos para 61 anos. O tempo de contribuição mínimo também aumentará um ano: vai de 35 para 36 anos.

De modo geral, a principal novidade do governo de Bolsonaro será a criação de contas individuais de capitalização.

Para Paulo Guedes, economista de Bolsonaro, a Previdência está condenada no Brasil, antes mesmo do envelhecimento da população. O presidenciável, por sua vez, não comparece aos debates para discutir o assunto e evita falar sobre esse tema “espinhoso”. Ele quer discutir a reforma depois da campanha eleitoral.

A eleição do novo presidente da república ainda não aconteceu, mas Paulo Guedes já tem conversado com a equipe econômica de Michel Temer. Se Bolsonaro assumir o executivo, tudo indica que a votação da reforma da previdência aconteça ainda neste ano.

A Previdência no Governo de Haddad

Fernando Haddad, do PT. (Foto: Ricardo Stuckert)

Fernando Haddad pretende criar um sistema único de previdência, mas rejeita totalmente a reforma proposta pelo governo de Michel Temer. O candidato do PT acredita que a retomada na geração de empregos é suficiente para aumentar a arrecadação dos cofres públicos e a manutenção do sistema previdenciário.

Se eleito, Haddad pretende sentar com governadores e prefeitos para discutir a previdência pública. Ele também tem planos de acabar com os privilégios do setor público.

O presidenciável acredita que não dá para manter uma mesma regra para todos os brasileiros. Sua ideia é tirar o trabalhador rural e profissionais que ganham até determinada faixa de renda da nova regra de “idade mínima”. O Benefício de Prestação Continuada (BPC) não será alterado, bem como a aposentadoria rural e a aposentadoria paga aos pobres.

Guilherme Mello, assessor econômico de Haddad, afirma que há um interesse de aproximar o regime previdenciário do setor público ao privado.

Restou dúvidas sobre a Reforma da Previdência para Bolsonaro e Haddad? Veja, na íntegra, o plano de governo de cada candidato:

Avalie este conteúdo!

Avaliação média: 0
Total de Votos: 0

Reforma da Previdência para Bolsonaro e Haddad: quais são as propostas

Comente